O Que Realmente Mudou Após a Greve dos Caminhoneiros?

A greve dos caminhoneiros foi um movimento que chamou a atenção do Brasil e do mundo para as necessidades de alterações visando a melhoria da qualidade de trabalho para quem vive nas estradas do país, mas o que realmente mudou após a greve dos caminhoneiros?

A greve dos caminhoneiros parece ter mostrado ao país inteiro qual a real importância desses profissionais, que levam pelas estradas precárias tudo que a população brasileira necessita, mas parecia não se dar conta. Ao parar os caminhões, o abastecimento de todos os comércios foi prejudicado, e a greve causou um prejuízo quase incalculável para os produtores, que perderam seus produtos perecíveis na estrada. Mas esse movimento de fato trouxe benefícios para os caminhoneiros?

Entenda as medidas que a greve trouxe:

  • Pedágio

A MP 833/18 alterou a lei para estender às rodovias estaduais, distritais e municipais o direito a isenção de pagamento de pedágio por eixo suspenso. Visando assim, gerar economia para os caminhoneiros.

  • Preço do Diesel

A Cide que era de R$ 0,05 por litro, foi zerada e o PIS-Cofins foi reduzido em R$ 0,11, visando que o total reduzido no valor do diesel na bomba fosse de R$0,46. E todos os postos deveriam sinalizar com placas o valor praticado antes dessa medida e após a medida.

  • Cargas da Conab

A MP 831/18 reserva 30% do frete contratado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para cooperativas de transporte autônomo, sindicatos e associações de autônomos. Os serviços seriam contratados por leilão eletrônico.

  • Preço Mínimo do Frete

A MP 832/18 instituiu um preço mínimo para o frete no Brasil, que deveria ser regulado por tabela que seria divulgado 2 vezes ao ano.

No entanto, essas medidas que deveriam surtir efeito na melhoria da qualidade do trabalho dos caminhoneiros, tornando seu dia a dia mais tranquilo e oferecendo mais dignidade a esses trabalhadores, ainda não apresentaram efeitos.

O preço do diesel por exemplo, deveria ser reduzido no valor de R$0,46 por litro, em todos os postos do Brasil. Todavia, a medida não foi eficiente e a redução dos valores não atingiu sequer R$0,40.

Esse alto valor dos combustíveis tem impactado não só a vida do caminhoneiro, mas também tem feito diferença no bolso dos demais trabalhadores, que mesmo os que não tem carro e não pagam diretamente os valores altos de combustíveis no país, acabam pagando a alta do diesel no aumento das passagens de ônibus, e no aumento dos produtos que compra sem perceber.

Aliás, esse é um ponto que vale a pena ser lembrado: o brasileiro se esquece muito rápido o impacto dos movimentos sociais, e mesmos aqueles que apoiaram a luta dos caminhoneiros estão de braços cruzados assistindo que a categoria em quase nada se beneficiou com tantos dias de paralisação.

Tabela de frete

A tabela do frete mínimo por exemplo, segue mergulhada em controvérsias, por não ter agradado a todos os setores que estão envolvidos na movimentação de cargas pelo país, quando na realidade deveria ser estabelecido como medida regulatória para que as empresas paguem valores justos aos caminhoneiros, dos quais elas dependem diretamente para obterem lucro.

Uma das vitórias dos caminhoneiros que podemos ver na prática tem sido o fim da cobrança pelo eixo suspenso.  O que acontece é que caminhões vazios costumam rodar com ao menos um eixo levantado, para evitar desgaste dos pneus, o que também diminui o desgaste da pista.

Com essa medida, o governo estimou que deixará de arrecadar R$ 50 milhões ao mês para os cofres públicos, esse número alarmante deveria ser suficiente para que toda a sociedade brasileira se indignasse com os salários pagos aos caminhoneiros, que transportam as riquezas produzidas no país sem receberem uma fração desse valor com dignidade. E que na oportunidade da greve, lutaram por seus direitos sem violência.

Assim, os profissionais teriam a partir de 2019 um valor de imposto mais justo, facilitando que o profissional possa pagar seu IPVA em dia e trabalhar com mais dignidade.

O que se espera é que essas medidas saiam do papel e a vida desses profissionais seja melhor ao serem bem remunerados e ouvidos.

Quem já comentou sobre isso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *